• FEED

Nadia Cozzi

Aprendendo a Fazer Compras!

05 mar 2014 - Por em Saúde e Alimentação

Nesses 20 anos que trabalho com Alimentação Consciente cansei de ouvir que produtos saudáveis são difíceis de encontrar, além de caros. Confesso que ficava um pouco brava com isso, achava que era comodismo, falta de vontade de promover mudanças, apego a velhos hábitos.

Mas analisando as informações que nos chegam diariamente, os comerciais de TV utilizando grandes ídolos para vender determinados produtos, senti que era hora de falarmos sobre isso. “ O que é saudável de verdade e o que é vendido como saudável pela Mídia e pela Indústria de Alimentos”.

Sempre usei a palavra consciente quando falo de alimentação por achar que devemos pensar para comer, entender as diferenças. Aí sim fica fácil, eu diria até rápido fazer compras.

Supermercado passa a ser utilizado apenas para alguns poucos itens alimentícios, produtos de higiene e limpeza, isso se não se optar por alternativas mais ecológicas também nesses setores. Os apelos de marketing e as gôndolas estrategicamente colocadas e arrumadas para atrair o consumidor não fazem mais efeito. Refrigerantes, sucos prontos, doces, comidas congeladas, entre outros também perderam sua sedução.

Mas onde compro os alimentos? Antigamente supermercado não existia, vamos “re-descobrir” as feiras e de preferência as orgânicas? Ah mas não tem feira perto de mim, na minha cidade não existe, etc… etc… Já conheço essa ladainha, antes de reclamar entre no Site do IDEC e veja se não existe mesmo uma feira orgânica pertinho de você.

Aqui em São Paulo normalmente as feiras orgânicas ficam em Parques ou espaços grandes, e servem um café da manhã super gostoso. Já temos um bom programa para a família. Café da manhã, caminhada, brincadeira com as crianças e compra de verduras, frutas e legumes, além de outros produtos de mercearia, passando inclusive por laticínios, bolos, pizzas e pães. Aproveite a chance de mostrar aos seus filhos como são os alimentos de verdade e sempre que possível puxe um papinho com os produtores, eles tem coisas bem legais para contar.

O preço é quase igual aos convencionais, com a vantagem de estarem frescos e bonitos. Lá não tem cartão de crédito é dinheiro ou cheque, mais uma vantagem: organizar as contas do mês e eliminar o consumismo desenfreado.

organico_selo

Porque Orgânicos?

Alimentos orgânicos CERTIFICADOS protegem o consumidor de: Sementes transgênicas (bom para quem gosta de soja, milho e seus derivados), Agrotóxicos, Irradiações e Aditivos químicos

Mas atenção: não é só porque é orgânico que é maravilhoso. Principalmente no caso dos industrializados ainda encontramos produtos orgânicos com muito açúcar, sódio, leites longa vida, alguns aditivos, cabe a nós consumidores deixarmos esses produtos mofando nas prateleiras do Supermercado e reclamarmos nos sites do fabricante. Vejam os rótulos: leiam sempre os ingredientes.

Outra opção são os deliveries, produtores orgânicos que entregam em sua casa os alimentos colhidos à noite. No meu Blog Alimento Puro você encontra uma relação deles. . Você escolhe o que quer ou opta pela cesta da semana e no dia marcado lá está a sua caixa com frutas, legumes, verduras e outros produtos orgânicos.

Não tem feiras orgânicas ou delivery? Opte pelas feiras livres e escolha alimentos da época, assim você está se protegendo dos agrotóxicos. Por estar na safra, geralmente necessitam de menor quantidade de venenos.

Atenção para o “Parece mas não é”:

Alimentos com agrotóxicos. É só lavar que sai: Sai o que esta fora do alimento, mas o que já foi absorvido pelos poros, o que foi colocado na terra, está lá. O mesmo se aplica a outros produtos usados para higienizar as verduras. Eu deixo de molho na água com vinagre de maçã por uns 20 minutos.

Hidropônico não é orgânico: o solo foi feito para gerar vida, a água não tem o que é necessário, então se coloca nutrientes sintéticos (Agrotóxicos) para suprir a deficiência. E você paga caro por eles!

Achocolatado é cheio de açúcar, chocolate em pó não:  Leia os ingredientes. O único que não tem açúcar é o cacau em pó, o chocolate em pó além de açúcar tem aditivos químicos.

Falando em chocolate, você não é chocólatra, é “açucólatra”: Leia os ingredientes dos chocolates comerciais que lotam as prateleiras dos supermercados. Um dos dominantes, ou seja, que aparece em primeiro lugar é o açúcar. O cacau não chega a 23%. Note que além do açúcar temos uma grande quantidade de aditivos químicos, inclusive a gordura vegetal hidrogenada. Prefira chocolates com maior teor de cacau, mesmo sendo mais caros. Você vai perceber que seu desejo por chocolate sacia com menor quantidade.

Leite Longa Vida: alguém conhece algum leite sadio, cheio de nutrientes que fica fora da geladeira por 6 meses intacto, sem estragar? Então porque comprar Leite Longa Vida? O leite de verdade fica na geladeira da padaria ou do supermercado.

Creme de Leite: igual ao leite de verdade, creme de leite também não fica em caixinha ou lata sem aditivos químicos. Na mesma geladeira do supermercado tem o creme de leite fresquinho, em garrafinhas de ½ litro. Esse faz inclusive chantilly, se batido.

Óleo ou Azeite: sempre azeite extra virgem, os óleos de canola, milho e soja quase que em sua totalidade são transgênicos, para receitas que pedem óleo prefira o de girassol. Para fritar, não frite, asse no forno.

Falando em Transgênicos: nossa despensa pode estar cheia deles. Aqui no Coletivo Verde já falamos sobre eles.Fubá, amido de milho, cuscuz, polenta, farinha de milho, fermento para bolos, salgadinhos. Tudo isso está transgênico.  O melhor é procurar por milho e produtos derivados orgânicos. No lugar do amido de milho utilize a fécula de batata. No lugar do fermento para bolos procure marcas que em vez de amido de milho, utilizem o amido de mandioca. Leia os Ingredientes.

maizena500gtransgênicos

Temos uma lei que obriga os alimentos que possuem matéria prima transgênica a colocarem o símbolo na embalagem. Normalmente ele vem bem pequeno e discreto. Uma coisa que me deixa bem desconfiada é a lecitina de soja que temos em vários produtos industrializados. Se 80% da lavoura de soja é transgênica de onde sai essa lecitina? Ou será que “esqueceram” de colocar o símbolo nesses produtos?

Pães Industrializados: a indústria alimentícia colocou nos pães uma série de grãos saudáveis e junto com eles uma série de aditivos químicos, afinal pão de verdade embolora em 3 dias, não é? Prefira pães feitos em padarias artesanais, faça seu pão em casa ou em último caso compre o pão de padaria que precisam de menos aditivos.

chá

 

 Tome um chazinho que faz bem: será mesmo? Olhe do que é feito esse singelo chá de maçã e canela que está à venda nos supermercados. Leia os ingredientes

 

 

 

 

amendoim 2.jpg - Cópia

Não contém Glúten: Novamente chamo atenção para a leitura dos Ingredientes, principalmente para aqueles que têm intolerâncias alimentares. Veja os ingredientes deste amendoim japonês onde está escrito que o produto é livre de glúten (livre de trigo, cevada, centeio, malte e aveia). Nos ingredientes a farinha de trigo aparece em primeiro lugar, e de novo aparece a gordura vegetal hidrogenada. O produto inclusive já foi recolhido.

Produtos infantis são feitos com mais cuidado: bem ao contrário, os alimentos infantis são recheados de aditivos químicos para dar sabor e cor agradando as crianças e viciando seus paladares. As embalagens sempre em tons chamativos também são propositais. Já perceberam que as grandes marcas infantis estão na altura dos olhos de seus pequenos? Leia os ingredientes.

Não foi por acaso que chamei atenção várias vezes neste texto para a leitura dos ingredientes no rótulo, são eles que nos protegem de uma série de aditivos químicos e substâncias que podem fazer mal à nossa saúde. A data de validade também nos foi ensinada ao contrário, não é quanto tempo eu ainda tenho para consumir o produto, mas sim, há quanto tempo este produto está estragando. Tanto é que muitas ofertas nos supermercados são exatamente produtos que estão com as datas muito próximas do vencimento e compramos para aproveitar?!?!

Somos tão “sabidos” que deixamos de ler os rótulos e adquirimos produtos mais caros porque pertencem àquelas marcas tradicionais. As que desde pequenos aprendemos como melhores, as “Marcas Mãe”, mas lendo os ingredientes vamos descobrir que na realidade elas são bem madrastas, no sentido bem ruim da palavra.

Somos donos de uma legislação que defende o consumidor, mas raras são as pessoas que a conhecem. Ler rótulos permite escolhas mais embasadas no ato da compra, uma atitude simples que protege a saúde e defende o bolso.            

Receitas:  

Já demos aqui a receita do Pão da Hora que é feito no liquidificador nunca dá errado e rende 3 pães. Bora lá para a cozinha?

Os leites vegetais que substituem com qualidade o leite de vaca.       

batata

Batatas fritas só que não

Lave bem as batatas (pode ser a inglesa, mandioquinha, batata doce, inhame) retire a casca e corte em palitos. Coloque um pouco de azeite extra virgem ou óleo de coco e misture os palitos para que todos fiquem envolvidos no azeite. Disponha em uma assadeira de forma que não fiquem umas sobre as outras. Leve para assar em forno pré-aquecido a 200º , vá virando para que fiquem moreninhas.

Sobre o Autor: Nadia Cozzi ( @nadiacozzi | G+ )

Nadia Cozzi

* Consultora de Alimentação Consciente e Desenvolvimento Pessoal. * Pesquisa desde 1994 a Agricultura livre de Agrotóxicos e o Ato de se alimentar e a Consciência de quanto ele interfere na Saúde Física, Emocional e Mental do Ser Humano e os efeitos da produção de alimentos para o Meio Ambiente. * Idealizadora do Instituto Pedro Cozzi - Espaço DAR VIDA – (institutopedrocozzi.blogspot.com.br) * Livros sobre uma nova consciência ecológica: (http://alimentopuro.synthasite.com/livros.php) * Blogs: Alimento Puro: alimentopuro.blogspot.com Bio Culinária: bioculinaria.blogspot.com

Site: http://alimentopuro.synthasite.com - Veja todos os artigos de

Faça seu Comentário

  • Tobias

    “A data de validade também nos foi ensinada ao contrário, não é quanto
    tempo eu ainda tenho para consumir o produto, mas sim, há quanto tempo
    este produto está estragando. Tanto é que muitas ofertas nos
    supermercados são exatamente produtos que estão com as datas muito
    próximas do vencimento e compramos para aproveitar?!?!”

    Sou seu fã!

  • Luiza

    Muito bom artigo! Obrigado pelas dicas!
    Vivendo nas grandes cidades, fomos cegados pelas “marcas mães” que não nos permite olhar outras opções. Temos que comprar, e rápido!
    Cabe a nós ter consciência do que estamos ingerindo e questionar o uso de diversos ingredientes… Afinal não queremos virar uma espécie mutante no futuro! rs

  • MAGDA

    Passei minha infância e adolescência tomando leite de vaca pois minha vó tinha um tambo e produzia leite e seus derivados. Depois de uma fase de “leite de saquinho” continuei procurando leiteiros que me fornecessem leite natural. até qeu tive que me render novamente ao leite agora “de caixinha” atep qua ha pouco tempoa tras tive eum diagnósitoco de intolerãncia à lactose, algo para mim inadmissivel, pois me criei ” mamando” e par dormir tenho que tomar o ue hamco de minhamamadeira. De repentem, tento cha, nada de sono, tento leite sem lactose, nada de sono e continuavam o estufamento e a desinteria.Aí na internet comecei a averiguar sobre o assunto e constatei o absurdo que fazem com as vacas para que produzam cada vez mais leite sem a necessidade de terem bezerros, tudo artificialmente, é lógico, mais o que ingerem de alimentos trangênicos!! Conheci na feira uma senhora que fornecia ricota para uma barraca e perguntei se me venderia leite!! A partir de então busco o leite, fervo e tomo como nos velhos tempos sem nunca mais ter tido qualquer sintoma o que me faz crer que a intolerância não era à lactose e sim aos transgênicos e quimicas que bebia junto com o leite”!!