• FEED

Tulio Kengi Malaspina

Ecovila Clareando: um exemplo de comunidade sustentável

17 jun 2012 - Por em Casa Verde

 No final de 2011 fui visitar a Ecovila Clareando, com a ótima companhia da Laila Dell e da Juliana Matos. A última vez que estive lá foi em 2007 para aprender um pouco sobre construções ecológicas e estilo de vida sustentável.

Durante as visitas que fiz há cinco anos, além das práticas de sustentabilidade, aprendi algo que mudou minha forma de ver o mundo: “É possível reinventar a vida”. A lição de casa era simples, mas os resultados não eram fáceis, exigiam um longo período de dedicação.

Construindo uma comunidade sustentável

Os anos passaram rápido (muito rápido), e muita coisa mudou por lá. O idealizador da Clareando, Edson Hiroshi, continuou franciscando (plantando) a sementinha da vida nas pessoas que passam por lá e a comunidade cresceu e continua crescendo. São mais de 90 lotes para construção e 2/3 já tem dono.

A construção da casa ecológica

Uma das pessoas que conheci lá na ecovila em 2007 foi a Giuliana Capello, que escreve no blog Gaiatos e Gaianos e faz parte da comunidade da Clareando. Na época, Giuliana e Edilson estavam começando o processo de construção de uma casa e era difícil imaginar o que o casal tinha em mente.

Na realidade, a proposta deles eram bem diferente de “levantar uma casa”. Aquele não é apenas um teto para morar, é uma “escola” onde ambos estão aprendendo a entender e conviver com a natureza.

Casa viva

Obviamente que dentro da minha cabecinha ingênua ficou uma dúvida e tive que questionar sobre o longo tempo de construção. Edilson sorriu e respondeu com prazer: “Nós estamos curtindo o processo de construir a casa, é um aprendizado” e Giuliana completou: “A casa está viva, é incrível”.

Qualquer pessoa que conversar com o casal vai perceber a paixão por cada centímetro da construção, mas o principal orgulho deles é o sanitário. O banheiro seco (cocô é seco, o xixi molhado) que eles fizeram é de invejar.

O ideal é que esses resíduos seja tratados separadamente, mas o sistema que o casal montou é capaz de receber ambos e não produzir mau cheiro. A Giuliana explica (bem melhor que eu) como funciona o tal banheiro seco neste texto: “E quando não há rede de esgoto?“.

É claro que o banheiro já é um orgulho apenas por ser um sistema muito bem feito, mas não posso deixar de mostrar a imagem que eles terão todos os dias ao utilizá-lo.

Inspire-se!

Sobre o Autor: Tulio Kengi Malaspina ( @tuliomalaspina | G+ )

Tulio Kengi Malaspina

Formado em Marketing (ESPM-SP), tem diversos cursos voltados à redes sociais e sustentabilidade. É fundador da SustentaLab, editor no Atitude Eco e sócio fundador da Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade (Abraps).

Site: http://www.tuliomalaspina.tumblr.com - Veja todos os artigos de

Faça seu Comentário

  • Pingback: Revista Sintonia Universitária - Notícias e textos do Mundo Universitário #10()

  • TIAGO ROCHA

    GOSTEI MUITO DA IDÉIA! SE OLHADA COM MUITA PRESSA, A SUSTENTABILIDADE PARECE SER UMA UTOPIA, MAS NA REALIDADE É UMA SOLUÇÃO EXTREMAMENTE VIÁVEL.
    BOM SERIA APRESENTAR PROJETOS DESSA NATUREZA A PREFEITURAS DE CIDADES DE INTERIOR QUE INFRENTAM PROBLEMAS DE SANEAMENTO BÁSCO.

  • FRANCISCO DA SILVA

    NAS COMUNIDADES RURAIS DO ENTORNO DE MANAUS, CABERIA ESSA PERSPECTIVA DE COMUNIDADE SUSTENTÁVEL, CONSIDERANDO AS PROBLEMÁTICAS E AS POSSIBILIDADES SOCIOAMBIENTAIS, DESSES LUGARES!!!