• FEED

Clovis Akira

Para uma Copa do Mundo sustentável, um eco estádio brasileiro!

15 out 2012 - Por em Diversos

copa-do-mundo-brasil-2014

Com a proximidade da Copa do Mundo de 2014, uma grande preocupação toma conta dos organizadores. O Brasil como sede, se comprometeu com a FIFA, em organizar o evento da forma mais sustentável possível, com construção de estádios inteligentes, modernização e ampliação de aeroportos e das vias de acesso aos estádios. Mas segundo estudos, o impacto ambiental somente durante as obras de preparação serão enormes. Aproximadamente 11,1 milhões de toneladas de gás carbônico serão emitidos e o consumo de energia elétrica se aproximará ao de uma cidade de 180 mil habitantes, ao longo de um ano, aumentando muito a pegada de carbono, que é a medida do impacto das atividades humanas sobre as emissões de gases do efeito estufa.

O Grupo paranaense JMalucelli, proprietário do JMalucelli Futebol S/A,  preocupado com todos esses problemas ambientais, inovou ao construir seu novo estádio na cidade de Curitiba.

Tornou-se famoso por ser o primeiro “estádio ecológico” do Brasil, pois sua arquibancada foi construída com cadeiras colocada em cima de um morro, sem a utilização de concreto. Por isso, o estádio também é denominado Eco-Estádio Janguito Malucelli.

eco estádio brasil

Antigo CT do clube, o novo estádio situado em frente do Parque Barigüi foi totalmente remodelado, e uma das atrações do novo espaço – a arquibancada, que foi aproveitada em cima do morro localizado no local. Além da grama plantada em todos os degraus, foram colocadas cadeiras/assentos em toda a extensão, fora o assento continua a grama. Vale lembrar que é um tipo de arquibancada inédita com a ideia da grama que segurou por algum tempo o molde dos degraus, agora arquibancada ecológica, assim como foi batizado o novo espaço, o Eco-Estádio Janguito Malucelli.

1º Eco estádio do Brasil

eco estádio brasil

Futebol e ecologia nunca caminharam lado a lado. A construção de modernos estádios é uma das maiores provas disso: além de gastar milhões, os dirigentes não se preocupam com a agressão à natureza provocada pelas edificações.

JMalucelli Futebol resolveu adequar simplicidade e consciência ecológica na construção do estádio Janguito Malucelli, chamado de Eco estádio, concebido para causar o menor impacto ambiental possível. Tudo é ecologicamente correto: a arquibancada é escavada na terra, a madeira veio de área de reflorestamento e o ferro, de dormentes de ferrovia desativada.

Apesar de ambientalmente correto, o eco estádio sofre com a falta de segurança da região. No começo de 2012 um torcedor do clube Atlético Paranaense morreu atropelado justamente no jogo que marcou o recorde de público do estádio.

A casa do “Jotinha”, como é conhecido fica ao lado de um dos principais cartões postais da cidade, o Parque Barigui. Mas as quase 50 mil pessoas que o visitam aos domingos praticamente não percebem que ali há um estádio de futebol, pois a idéia é manter a harmonia com os quase dois milhões de metros quadrados de área verde da região.

Fonte: JMalucelli Futebol S/A

Imagens: WC2014JMalucelli Futebol S/A

Sobre o Autor: Clovis Akira ( @clovisakira | G+ )

Clovis Akira

Contabilista, Consultor em sustentabilidade , Articulista do Jornal Sete e admirador da cultura japonesa.

Site: http://clovisakira.blogspot.com - Veja todos os artigos de

Faça seu Comentário

  • os conceitos de sustentabilidade estão ganhando força no Brasil, mesmo que lentamente. aproveitando que o assunto é estádio sustentável segue uma boa dica para leitura, conheça o estádio solar do Mineirão em Belo Horizonte. http://energiamaiseficiente.blogspot.com.br/2012/09/energia-solar-no-mineirao.html

  • achei uma matéria legal no youtube que inclusive pode ser agregada no eco estádio.
    Iluminação a custo zero – Sem utilizar energia elétrica
    http://energiamaiseficiente.blogspot.com.br/2012/10/iluminacao-custo-zero-sem-utilizar.html

  • Jarbas, obrigado pelo comentário, o estádio de Pituaçu na Bahia já utiliza essa tecnologia

  • Lopes

    Muito bacana mas deve dar um trabalhão danado cortar a grama ao redor das cadeiras.

  • Rc

    Sinceramente, odeio quando utilizam o termo “ecológico” para essas coisas, não tem nada de exológico, quando isso começar a encher de gente que pisotearem essa grama, ou quando der uma enchurrada que encher de lama isso aí, então veremos o ecológico, aliás, o sustentável, ou melhor diria o “ambientalmente correto”, para afasta ECOLOGIA do que não tem nada haver com ela. O que falta no nosso país é copiar algumas idéias que encontramos mundo a fora. O aeroporto do Recife por exemplo, é o primeiro do país onde um monte de concreto economiza energia e água; isso é sim cuidar do meio ambiente. O resto é só bla bla bla de quem não tem o que fazer.

  • Concordo em grau numero e gênero, fora as aranhas, formigas e outros bichos que irão aparecer para morder os desavisados.