• FEED

Paraty Eco Fashion – Evento reúne moda, música e sustentabilidade

16 ago 2011 - Por em Vida Verde

Acabo de chegar do 1º Paraty Eco Fashion, cheia de informações, experiências e inúmeras idéias fervilhando na cabeça. E gostaria de compartilhar com vocês meu olhar sobre tudo o que aconteceu neste evento com foco no desenvolvimento sustentável, emoldurado pela encantadora paisagem da cidade.

Nestes três dias aconteceram desfiles de moda, exposições, workshops, conferências… Onde se viam estilistas, designers, artesãos, jornalistas, especialistas em sustentabilidade e estudantes de moda trocando conhecimento e experiências.

O Instituto Colibri está de parabéns pela organização impecável!! Colocaram a mão da massa por um sonho que se tornou uma realidade muito maior do que a esperada….Estar durante estes três dias rodeada de uma paisagem deslumbrante, em uma cidade encantadora que respira cultura e arte… Não me permite palavras para descrever a quantidade de aprendizados e vivências que tive no primeiro (de muitos!) Paraty Eco Fashion…

Segundo as idealizadoras do evento, Bernadete Passos e Carminha Santos, o Paraty Eco Fashion vem tomando forma há quase dois anos. Primeiro foram às longas conversas sobre o sonho de realizar um evento sobre moda; depois, o diferencial da sustentabilidade pela via da educação; na sequência, o arregaçar as mangas: pesquisa para valer e muito trabalho, com a constatação de que estava na hora de fazer o sonho acontecer.

Assim, em março de 2011 alunos de moda de todo país se inscreveram para participar do projeto. Um ponto imprescindível foi a inclusão das comunidades tradicionais, onde cada equipe escolheu o seu foco de estudo trabalhando e promovendo interação com comunidades, troca de conhecimentos voltada para o artesanato de cada região e pesquisas de materiais sustentáveis viáveis para produção de moda. Além de artesãos de todo país, comunidades de Paraty estiveram envolvidas no projeto: a comunidade caiçara, com seus bordados; a comunidade indígena guarani, com seus trançados; e a quilombola, com seu colorido e suas cestarias.

Participam do evento 18 equipes de cinco Estados brasileiros, todas de excelente qualidade e afinadas em suas propostas de uma produção inovadora. São elas: Alecrim/Amanda Mol, Ana Carolina da Mata Araújo, Anjo da Moda, Grife Criolê, Oficina Callicore, UFRJmar Paraty, Impacto!, Libertas, Lírio Lê, Michelle Ramos Victório, Nêga, Produtos em Rede, Ecomoda Udesc, Equipe Reciclada, Rumaos Atelier, Trama Feminina, Tramas Sustentáveis e Mulheres de Fibra/Patrícia Moura.

Uma das principais propostas do Paraty Eco Fashion foi a integração entre estudantes de design e comunidades tradicionais. O trabalho originado por este intercâmbio foi apresentado através de desfiles e da exposição “Novo Olhar”, onde foi possível conferir durante o evento o que os novos talentos e comunidades locais propõem em sua moda eco friendly e sustentável. A exposição na Tenda Eco Fashion foi a prova mais concreta do quanto essa chamada economia criativa é capaz de produzir com capricho, beleza e qualidade.

Exposição Novo Olhar – Lírio lê

Exposição Novo Olhar - Libertas

Exposição Novo Olhar – Libertas

Exposição Novo Olhar - Libertas

Exposição Novo Olhar – Libertas

Exposição Novo Olhar - Alecrim

Exposição Novo Olhar – Alecrim

Exposição Novo Olhar - Alecrim

Exposição Novo Olhar – Alecrim

Instalação Têxtil “Sol Diário”, por Flávia Vanelli

 

Além da exposição “Novo Olhar” com os trabalhos das equipes, os visitantes também puderam conferir a instalação têxtil “Sol Diário” da estilista Flávia Vanelli.

Abaixo algumas fotos do desfile da Lírio lê (infelizmente não consegui estar presente nos outros desfiles pela correria por trás dos bastidores…) com roupas de meu Trabalho de Conclusão de Curso no SENAC (que você pode conferir aqui, aqui e aqui!)

Importande ressaltar que os desfiles do evento questionaram o esquema atual de modelos magérrimas que vemos nas semanas de moda do mundo inteiro. Os modelos eram jovens de Paraty que desfilaram de forma voluntária: Corpos normais vestindo uma proposta que tende a se tornar normal também.

Coquetel de abertura do 1º Paraty Eco Fashion – Pousada do Ouro – Da esquerda para a direita: Lena Santana (estilista), Ivanilde (liderança indígena da aldeia Paraty Mirim), Bernadete Passos e Carminha Santos (criadoras e organizadoras do evento) e Celina de Farias (do Instituto Zuzu Angel).

Além das equipes inscritas, o evento contou com alguns convidados especiais: Patrícia Moura (designer de biojóias), LenaSantana (estilista), Caio Von Vogt (criador do primeiro tecido 100% ecológico e orgânico do mundo), Roberto Meireles (Instituto Rio Moda), Nina Braga (Instituto-e); Luiza Marcier (estilista e consultora do Projeto Museu da Moda pela Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro) ; a professora Lilyan Berlim (faculdades Veiga de Almeida e La Salle) , Celina de Farias (vice- presidente do Instituto Zuzu Angel), Emilia Duncan (figurinista), entre outros.

Roberto Meireles do Instituto Rio Moda deu início ao evento na tarde de sexta-feira com uma palestra baseada no livro “Doze dragões em luta com as iniciativas sociais”, de Lex Bos. A palestra explanou sobre como tirar partido dos problemas, para que as boas iniciativas não sumam mais rápido do que aparecem. Onde os “dragões” do Dirigismo, Absolutismo, Pressa, Conformismo, etc devem se tornar inspirações para que o projeto se concretize, mantendo sempre o equilíbrio e a força de vontade.


Durante o sábado a tarde ocorreram simultaneamente: Workshop de Moda Customizada, por Caio Von Vogt; Workshop de Moulage Criativa, por Lena Santana e exibição do filme Zuzu Angel, de Sérgio Rezende. Optei por escutar um pouco mais sobre a técnica da Moulage com a estilista Lena Santana.

Em seu workshop a estilista fez a defesa da roupa atemporal, feita com qualidade, que dura muitas estações, e vai contra a lógica do fast fashion que vem consumindo o mundo. Isso é sustentabilidade! Lena, além da bandeira da consciência ecológica, também mostrou a técnica de moulage, que consiste em construir a roupa no próprio manequim. Ao final do workshop, cada participante ganhou o livro “Um pedaço de tecido”, escrito pela própria Lena Santana, em que ela propõe para o leitor maneiras práticas de criar e modelar as próprias peças de roupa.

Patrícia Moura
Patrícia Moura
Patrícia Moura
A exposição “Novo Olhar” também teve a ilustre presença de Patrícia Moura, com suas biojóais que já rodaram o mundo inteiro! Patrícia esteve nesta última semana em uma oficina em parceria com a Associação de Mulheres de Trindade…e juntas criaram o grupo “Mulheres de Fibra”! Os produtos originados desta parceria estavam lindos…e mais lindo ainda foi ver estas mulheres realizadas com o trabalho que fizeram!!

Outro ponto alto no sábado foi a Conferência Moda Eco e Sustentabilidade, com a participação de Nina Braga (Instituto-e); Luiza Marcier (estilista e consultora do Projeto Museu da Moda pela Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro) ; e a professora Lilyan Berlim (faculdades Veiga de Almeida e La Salle) , com mediação de Celina de Farias (vice- presidente do Instituto Zuzu Angel). O principal tema discutido foi a questão da estética do artesanato aliada à moda e a ética na moda. O encontro gerou um debate produtivo a respeito da moda brasileira e também sobre políticas públicas que facilitem e promovam a sustentabilidade.

Durante a noite foram apresentados os desfiles de Caio Von Vogt e Lena Santana. Além dos desfiles, houve apresentações musicais, de dança e uma linda homenagem aos Mestres Cirandeiros de Paraty, que receberam um certificado de reconhecimento da Secretaria de Cultura. As atividades do dia acabaram com a banda Ciranda Elétrica tocando em comemoração ao Dia do Caiçara, onde a população da cidade e os turistas entraram na dança e nos costumes locais.

O último dia do evento começou com a palestra da figurinista Emilia Duncan, que falou a respeito da reciclagem e da responsabilidade social dentro da construção de figurino. Emilia contou que começou a perceber o valor da moda ecológica quando não havia a verba necessária para a criação de seus figurinos. Foi assim com o filme Carlota Joaquina; nas minisséries A Muralha, Mad Maria e Amazônia; e na novela Caminho das Índia.

Depois da palestra, o Paraty Eco Fashion seguiu com um debate onde foi possível refletir o porquê de estarmos ali e o que poderá ser feito daqui para frente. O principal objetivo do evento foi o de provocar debates, gerar a troca de idéias e experiências, além de refletir sobre o papel do profissional da moda e, também, do consumidor nesta nova era consciente. Em seus três dias de realização, comprovou na prática, com belas peças de vestuário, além de acessórios e artesanato, que sim: é possível. Que esta seja a primeira de muitas edições do Paraty Eco Fashion, pois ainda há muito o que se fazer pela moda ecológica e sustentável, a Moda do FuturoI! Conforme anunciou com entusiasmo Carminha Santos, “está plantada a semente”. Que o evento floresça e contribua efetivamente para um novo olhar sobre o mundo da moda!

O 1º Paraty Eco Fashion encerrou com o ritmo alegre do Jongo das crianças do Quilombo do Campinho onde todo mundo entrou na roda para se encher de boas vibrações para o futuro que virá depois de tantas reflexões neste final de semana.

Designer Juliana Foz e agricultora, poeta e artesã Josefa Donadon, residente do assentamento Reunidas da Reforma Agrária, localizado na cidade de Promissão, interior de São Paulo.

Sobre o Autor: Juliana Foz ( @juhfoz | G+ )

Juliana Foz é Designer de Moda formada pelo Centro Universitário SENAC, e cursa a Pós-graduação em Direção de Criação para Moda e Design do Instituto ORBITAO/SC. Atualmente desenvolve calçados e acessórios para a marca paulista Khelf, além de criar roupas com enfoque sustentável para sua marca própria, Lírio Lê.

Site: http://www.malemolencia-juh.blogspot.com - Veja todos os artigos de

Faça seu Comentário