• FEED

Dan Lima e Carol Guilen

Ser ou não ser vegetariano? Torne seu prato mais verde!

Você sabia que em 2010 os brasileiros comeram 5% a mais de carne bovina que em 2009? No ano passado cada tupiniquim comeu em média 37,5 quilos. No total devoramos mais de 6 bilhões de quilos de carne bovina no ano, um mega churrasco!

Sabemos que a maior parte dos brasileiros adora um bife no prato, uma picanha mal passada. Mas sabemos também que a produção de carne bovina é uma das atividades que mais impactam o meio ambiente. A pecuária é parte do ciclo de desmatamento da Amazônia: tiram a madeira nobre, queimam a mata e botam gado para pastar. Em pouco tempo o já pobre solo amazonense fica duro, pisoteado, lixiviado (a chuva leva embora os nutrientes que foram derramados com a queimada). Para recuperar um solo desse, só com muito dinheiro.

Ainda se nossa pecuária fosse mais eficiente, vá lá. Mas um hectare para menos de uma cabeça de boi? Pois é, a média brasileira é abaixo de um boi por hectare. Se aumentássemos a produtividade para 1,5, muita terra ficaria disponível para agricultura – sem precisar acabar com as áreas de preservação ambiental!

Mas vamos parar de falar do problema e focar na solução: o negócio, pessoal, é reduzir o consumo de carne e variar mais nossa alimentação. Reduza aos poucos sua porção diária de carne, ou eleja um dia da semana para ficar sem carne. Experimente, é perfeitamente possível.

Com nós dois foi assim. A Carol já comia pouca carne e tinha birra de ver amplas áreas desflorestadas, só com capim, com pouquíssimas cabeças de gado. O Dan gostava de carne, mas desconfiava que não era muito boa pra saúde, principalmente a carne vermelha. A gota d’água foi quando assistimos ao documentário A Carne é Fraca. O documentário não é imparcial, mas é bom para mostrar a dura realidade dos matadouros de gado e aves. Bastante chocante saber que pintinhos defeituosos, por exemplo, são jogados num container para serem ‘reciclados’. Tivemos ímpeto de jogar toda a carne do freezer no lixo!

Ficamos um ou dois meses sem comer carne alguma. Mas começou a ficar difícil. A família já não sabia o que preparar quando íamos visitá-los, os amigos nos convidavam para churrascos e feijoadas, as lanchonetes não parecem preparadas para vegetarianos. – Tem algum salgado sem carne? – Tem. De presunto, atum, frango. – ….

Depois lemos que cerca de 50% dos vegetarianos têm baixa taxa de vitamina B12 no sangue, o que pode levar a problemas de memória, entre outras complicações nutricionais. Por fim, adotamos uma dieta com peixe liberado, sem comprar carnes de outro tipo. Quando somos hóspedes, não ficamos separando o bacon do feijão nem a carne do molho. Resolvemos também não passar vontade. Ser bater aquela vontade de um hambúrguer, ok. Mas não é a dieta cotidiana.

Seres humanos são onívoros. Nosso sistema digestivo evoluiu para comermos de tudo. Mas a forma como criamos, abatemos e preparamos as carnes, tornou-se insustentável e antiética. Cada pessoa pode se adaptar a um hábito alimentar. Muita gente adere ao veganismo, não comendo nem usando nenhum produto proveniente de fontes animais. Outras pessoas começam apenas deixando de comer carne vermelha, ou elegendo um dia na semana para “brincar” de vegetariano.

Seja lá como for, comece também a pensar em alternativas alimentares. Seu corpo definitivamente não precisa de carne todos os dias. Experimente pratos vegetarianos. Você vai se surpreender como é mais agradável cozinhar sem carne, com vegetais coloridos e com aroma agradável. Complemente sua fonte de proteínas com queijos, castanhas e cogumelos. Varie sua alimentação, é bom para sua saúde e para a natureza. Quanto mais distintos os cultivos, menos latifúndios com monoculturas.

Sobre o Autor: Dan Lima e Carol Guilen ( @carol_guilen | G+ )

Dan Lima e Carol Guilen

Ele, advogado, ela, bióloga. Um casal de consultores em Sustentabilidade: dentro de casa é que começa o exemplo!

Site: http://donossoquintal.wordpress.com - Veja todos os artigos de

Faça seu Comentário

  • Larissa

    Oiii. Adorei a matéria.
    Só queria complementar a bibliografia de filmes. Eu decidi parar de comer carne quando assisti o filme terráqueos. Inclusive é até mais completo do que ‘A carne é fraca’, e é bem pesado.

  • Cintia Freitas

    Adorei a materia!!!! espero que mais pessoas gostem e acabem aderindo a ideia. Sou vegetariana a  2 anos. Assisti tb a carne é fraca ( que foi o que me motivou ao vegetarianismo) e depois vi terraqueos, dai tive certeza que não queria mais fazer parte de todo este sofrimento.

  • Concordo! Temos que otimizar nossa pecuária! E também nossa logística, bur(r)ocracia, sistema de cobrança de impostos e a administração pública. Por que não começamos já? Que tal usarmos o Avazz para nos mobilizarmos. Reply to: clidee251@gmail.com.

  • Achei interessante compartilhar aqui: http://www.oecocidades.com/2011/06/22/carne-artificial-reducao-drastica-de-danos-ao-meio-ambiente/

  • Jessica

    Mas e a pesca que está acabando com os ecossistemas aquaticos?

  • Pois é. O ser humano evolutivamente é um onívoro, ou seja, biologicamente preparado pra comer carne. Mas não somos um simples animal. Temos cultura e consciência da morte, do eu e do outro. Isso muda muita coisa: você comeria carne se tivesse de matar o animal? Muita gente responde não. É por essa incoerência nossa, e pela cadeia produtiva que trata os animais como objetos sem vida, e ainda pelo alto impacto que a pecuária extensiva brasileira causa, que eu particularmente decidi reduzir drasticamnete o consumo de carne.

  • A minha opção não tem sido me tornar vegetariana, mas diminuir o consumo de carne fez um efeito tremendo no meu organismo, não consigo sair comendo aqueleee churrasoc como fazia antigamente. A ideia de ir colocando mais vegetais na dieta da casa acusou espanto “vai virar vegana agora?”. Tive que rir, porque é uma questão de alimentação mais saudável também.
    Super parabéns pela matéria. Pensarmos criticamente e sem radicalismo é mais proveitoso… Foi sucesso aqui em casa.
    :)

  • Vale lembrar que a vitamina B12 pode ser encontrada em suplementos, ou para baratear o processo podemos mandar manipular ou até mesmo receber injeções de B12 (que se eu não me engano é de GRÁTIS! *-*)…sem contar muitos alimentos que hoje em dia são fortificados com B12… o problema dos 50% dos vegetarianos que tem esse nível baixo é mais uma questão de FALTA DE INFORMAÇÃO do que carência nutricional do veg(etari)anismo!!

    Ótimo artigo!

  • Kar1na Oliveira

    Bacana o texto e extretamente válido a crítica feita, contudo a solução é cômoda, manter o consumo de carne por paladar ou para não incomodar é do mesmo modo compartilhar para o desmatamento e para a morte de milhões de animais.

  • Oi, Elisabeth! Pois é, mas há algo que me incomoda em suplementos: não é algo natural…adotar nova dieta para respeitar a natureza e então resolver um efeito colateral com comprimidos me incomodaria…. Mas eu acredito que com acompanhamento nutricional periodico, e com uma alimentação rica em castanhas, e sem tirar o ovo, vegetarianos podem viver bem sem carne e sem complemento :)

  • Oi, Elisabeth! Pois é, mas há algo que me incomoda em suplementos: não é algo natural…adotar nova dieta para respeitar a natureza e então resolver um efeito colateral com comprimidos me incomodaria…. Mas eu acredito que com acompanhamento nutricional periodico, e com uma alimentação rica em castanhas, e sem tirar o ovo, vegetarianos podem viver bem sem carne e sem complemento :)

  • Oi, Karina! Obrigada por compartilhar! De fato é uma opção cômoda,  até fácil, eu diria. E por ser uma opção mais fácil é mais acessível para muita gente. É um cenário ecologicamente mais benéfico que muita gente passe a comer carne apenas uma vez por semana, do que pouca gente não comer nenhuma carne. Outro problema é que muitos vegetarianos substituem carne por soja, que também contribui pro desmatamento! rs Temos adotado a estratégia de transição para a sustentabilidade: aos poucos, mas com constância! :)

  • Alexandra

    Muito bom o post. Eu sigo a mesma linha – praticamente ñ compro carne de tipo algum, priorizo pratos vegetarianos quando como fora, mas nunca conseguiria impor essa opção a meus anfitrioes ou quando viajo a lugares onde o vegetarianismo completo ñ existe….

  • até concordo, eu passo, 2 ou 3 dias sem comer carne, mesmo tendo na mesa pois em casa se não comerem carne todo dia parece que não comem nada. Mas tbm adoro o churrasco de domingo, uma costela bem gorda (coisa de gaúcho). Mas além da população ter consciência da agressão ao meio ambiente os agropecuaristas tbm deveriam procurar alternativas. Infelizmente chegamos a um ponto em que é difícil frear algumas coisas. Se a consciência dos estragos que causamos ao meio ambiente surgisse ha 20 anos seria bem diferente. Não falo somente pela pecuária, e sim por tudo que fazemos errado. 

  • Delcorso

    Acho muito corajoso esse debate sobre a carne e seus impactos. Infelizmente devo alertar que o modo como os peixes sao pescados: imagine ser retirado a força do seu habitat natural e ser envenenado com oxigenio, ser jogado em um barco e morrer lentamente apos vários minutos. Sem falar de que já explorarmos além da conta a maior parte dos oceanos e rios com cardumes conhecidos. Acho que quem opta por nao comer carne é muitas vezes por que enxerga no gado um semelhante..compara com o cachorro doméstico e humaniza o processo.. super válido o pensamento, mas e as formigas? pernilongos ..ratos ..aves que migraram por nao ter pra onde ir.. é dificil julgar um animal como mais ou menos importante só por que ele é estranho. O fato é que a morte faz parte do nosso processo de vida.

  • Patricia Ferreira Silva

    Muito interessante seu depoimento, parece muito minha história, séquito o mesmo caminho, e hoje em casa não comemos carne,mas respeitamos os que comem e não deixamosmde participar dos eventos e encontros familiares, apesar de gerarmos muita polemica!

  • Saulo Sousa Soares e Silva

    Massa! Disse tudo!