• FEED

Incríveis Rôbos, Naves e outras esculturas de SCI-FI criados a partir de reciclagem

08 abr 2011 - Por em Arte e Design

Fã notável de filmes de ficção científica, Edson Azevedo é escultor, ilustrador e designer gráfico que na infância adorava desenvolver os próprios brinquedos aproveitando os materiais que tinha acesso. Essa paixão continuou até hoje e deu início a um fascinante projeto artístico sustentável.

Reaproveitando materiais recicláveis, o artista usa tampas de garrafa, lanternas, telefones, ferros de passar roupas e quaisquer objetos que vê como potencial para encrementar seu projeto e transformar em admiráveis esculturas, robôs e cenas que parecem ter saído de um filme de ficção científica.

Em entrevista ao Coletivo Verde, Edson nos conta que a partir da separação do lixo em sua casa, já sabe exatamente o que pode ser reaproveitado para transformar resíduo em arte. Em suas exposições é comum escutar a frase: “nunca imaginei que tal peça fosse virar obra-de-arte“. Quando olhamos o projeto final, ficamos encantados com a personalidade que cada robô nos transmite e com o nível de detalhamento que o artista da a cada escultura. Ao olharmos mais atentamente, podemos perceber que cada obra é produzida com os mais diversos materiais, desde mouses de computador até frascos de plástico.

É importante vermos cada vez mais projetos como o de Edson que une de maneira efetiva arte e sustentabilidade. Em vez de produzir, podemos reutilizar. Quem sabe um dia a maioria dos artistas além de nos encantar com obras fascinantes, traga um pouco mais do nosso planeta em suas obras de arte.

Entrevista com Edson Azevedo na íntegra:

Edson, de onde surgiu a ideia de usar materiais reciclados para projetar robôs? Como isso começou?
Edson Azevedo: Desde criança eu já vinha com essa paixão pelos filmes de ficção. Com o passar do tempo, ainda criança tentava desenvolver meus  próprios brinquedos aproveitando o que eu via,  depois de tomar consciência do que poderia vir a ser essa paixão, quis reaproveitar outros objetos que poderiam ser descartados sem maior uso.

A quanto tempo você desenvolve esse tipo de projeto?
O projeto totalmente reciclado tem em torno de 3 anos.

Como você faz a coleta dos materiais que seriam descartados? Possue algum tipo de separação especial de lixo em sua casa?
Tenho acesso fácil a esses materiais, no trabalho, em casa e até na rua encontro objetos interessantes pra meu projeto. Na minha casa, temos consciência da importância da reciclagem, por isso, na hora da coleta já sei exatamente a que se destinará para aquele objeto. Já o que realmente não posso usar, esse sim é descartado.

Considerando o lado ecológico de sua produção, você vê isso como um fator motivacional dentro do projeto?
Claro que sim, a começar de mim, já que quero fazer a minha parte de alguma maneira, como meu projeto pode ser bem versátil, o reciclado dá o toque especial do qual preciso pra finalizar minhas ideias. E com certeza, sei que isso mexe com as pessoas que veêm e admiram porquê elas também podem fazer algo de útil com aquilo que iria para o lixo e passar tanto tempo pra ser totalmente desintegrado.

Você acredita que o lado “verde” de sua coleção, reflita na criação e no resultado final percebido por quem admira as obras?
Creio que sim, as pessoas quando veêm o resultado daquele projeto podem pensar “nunca imaginei que tal peça fosse virar obra-de-arte”. Por vezes, acredito que o reciclado pode passar despercebido, mas quando olham atentamente, noto as expressões de surpresa, acho que isso mexe com as pessoas.

A cada dia, surgem ideias inovadoras como a sua que reaproveitam o lixo para transformar em arte ou em novos objetos úteis a nossa vida. Você acredita que isso seja uma tendência ou uma necessidade dos tempos de hoje?
Acho que a necessidade está se transformando em tendência, já que a consciência de ajudar o planeta cresce a cada dia, visto que, essas pequenas coisas podem fazer grandes diferenciais.

Tem algum tipo de conselho a artistas que buscam incorporar um exemplo de sustentabilidade em seus projetos?
Que nunca desistam de suas ideias, que procurem inovar, que pesquisem, se aprimorem no que gostem, indo fundo no tema, porque o meio ambiente agradece.

Mais: Site Jota Azevedo

Sobre o Autor: Laercio Bizzarri ( @bizzarrilaercio | G+ )

Diretor de arte da agência M51 Criatividade Estratégica. Apaixonado pelo design que inspira, transmite e transforma.

Site: http://laerciobizzarri.com.br - Veja todos os artigos de

Faça seu Comentário