• FEED

Guilherme Augusti Negri

Documento Sustentável – Salve seus documentos no formato WWF e poupe milhares de árvores

Com certeza você já recebeu algum e-mail com informações sobre impressão consciente contendo a famosa frase: “Pense antes de imprimir…“. Esta típica assinatura tem um propósito super nobre e incentiva a impressão consciente.

Mas e se você pudesse ir além? Se pudesse criar um documento que não pode ser impresso? É exatamente a proposta do formato WWF, uma adaptação do .PDF que simplesmente não pode ser impresso.

Assista o video acima e saiba mais! Caso esteja lendo a notícia via e-mail ou RSS clique aqui para ver o video.

O mais bacana é que o formato é gratuito e super simples de usar ele esta se popularizando rapidamente e já é usado por mais de 53.000 empresas ao redor do mundo. Imaginem quantas folhas e consequentemente árvores não foram poupadas com a utilização formato?

Destaque também para a parte funcional, o formato funciona exatamente como um pdf, ou seja se você possuir qualquer software que leia um .pdf conseguirá também ler o WWF.

Além da função prática o formato tem um papel de difusão da impressão consciente muito forte, pois levanta e leva o debate a diversos países e comunidade. O formato foi idealizado pela respeitada ong WWF que também foi uma das precurssora das assinaturas de e-mail pela impressão consciente. Show demais né?

E você, oque esta esperando para aderir ao formato?

Como faço para começar a usar o WWF?

É super simples criar os arquivos WWF siga o passo a passo que criamos:

1) Faça o download do gerador de WWF, clique aqui para a versão Windows e aqui para versão Mac OS X 10.4+

2) Utilizando o Winzip ou software para descomprimir arquivos, dezipe o arquivo e execute o arquivo de instalação. Faça todo o processo (que pode demorar um pouco) e clique em OK. Será necessário reiniciar seu computador.

3) Agora o formato já esta instalado. A instalação cria em seu computador uma impressora virtual, que terá o papel de criar o documento no formato.

Toda vez que você quiser transformar um arquivo em .WWF basta clicar na opção de imprimir em seu programa de edição de documentos e na escolha de impressora você deve selecionar a opção SAVE AS WWF.

Por exemplo: Na foto acima utilizamos o Notepad, clicamo em Arquivo depois na opção Imprimir.Na tela da impressora escolhemos a impressora Save as WWF e clicamos em imprimir.

4) Após clicar em Imprimir, você escolherá aonde quer salvar o arquivo em seu computador. Escolha e clique OK. Seu arquivo será gerado.

5) Boa! Seu arquivo já esta pronto para ser enviado via e-mail ou qualquer outro comunicador. Fácil não?

Se possuir dúvidas na instalação e também se aderiu ao movimento escreva nos comentários. Vamos que vamos!

Sobre o Autor: Guilherme Augusti Negri ( @coletivoverde | G+ )

Guilherme Augusti Negri

Empreendedor com veia social e ambiental e músico por hobby. Fundador do Coletivo Verde.

Site: http://www.coletivoverde.com.br - Veja todos os artigos de

Faça seu Comentário

  • Shirley

    Com todas essas novidades, não podemos mais dizer que não como cuidar melhor do nosso planeta não mesmo? Adoreiiiiiiiii.

  • Muuuito shoow, fiz o teste e é muito bacana mesmo! Mesmo abrindo o arquivo salvo em WWF e salvando ele como PDF, não dá pra imprimir… muito bacana… boa ideia! :D

  • Vinicius Brasil

    Mto Boa a idéia.

    Vou instalar no meu Pc…Iniciativa grandiosa com responsabilidade sustentável.
    Parabéns Coletivo Verde e aos membros que fazem esse Blog acontecer. Acompanho o Blog há somente 1 mês e me sinto privilegiado em poder conhecer e compartilhar as idéias que são promovidas aqui…

    Valeu :-)

  • Rico Mäder

    Boa Ideia!
    Somente devemos pensar que em determinadas situações será necessário a impressão de um certo documento, porém com o uso da ferramenta em formato WWF (grande merchandising, hein!?) cria-se a expansão da consciência ambiental ao unir o “fazer (imprimir) com o ser (preservação coletiva)” para se decidir pela importância de realmente “pensar” se o documento é realmente fundamental para justificar sua mudança de meio (de virtual para físico).
    Valeu a dica!

  • eheheh verdade Shirley!!
    Vamos aproveitar esta onda para construir um mundo melhor =))
    Vamos que vamos

  • Fala Jeferson, muito bom né?
    Testei bastante também por aqui em diversas situações e funcionou
    perfeitamente!! Vamos espalhar a idéia =D
    Abraços

  • Ola Vinicius, muito obrigado pelas palavras!
    Obrigado pela força e vamos juntos =)))

  • Ola Rico, é verdade, concordo com você que o grande trunfo do formato é
    fazer com as pessoas pensem sobre a impressão consciente. Imagine quantas
    pessoas não são viciadas em imprimir documentos? Quando estas pessoas
    receberem o arquivo no mínimo vão se sentir espantadas e vão ficar super
    curiosas pra saber mais, o buzz que a campanha causa é muito bom!

    É claro que alguns documentos precisam ser impressos, mas acredito que são
    minoria nos milhares de arquivos que abrimos. O WWF deveria ser o formato
    padrão e o PDF para impressão deveriam ser as exceções.

    Abraços

  • Pingback: Documento Sustentável | Rede Ambientação()

  • Vicilu

    pode parecer estranho, mas qnd penso no meio ambiente, entre imprimir e não imprimir eu escolho imprimir. Isso porque os papeis são feitos d madeira replantada q dão lugares a outras arvores novas, se pararmos de usar papel as arvores q crescem não são cortadas pq não precisa e acabam capturando muito  menos CO² da atmosfera qnd adultas, se forem cortadas palantando outras no lugar o CO² captura por essa nova é muito maior doq a velha. Isso também explica pq usar madeira reflorestada consome menos CO² doq usar papel reciclado!!

  • Vicilu

    Além do mais, existe uma diferença grande na captação do célebro entre ao ler na luz emitida do computador e ler na luz refletida do papel, ler no papel é muito mais eficiente doq ler na tela. Sinceramente: esse programa para mim só impede a luta contra o acúmulo de CO² no planeta….

  • Vicilu

    Para mim, oq ajudaria muito na luta contra a pouição de impressões é o desenvolvimento/uso de tinta de impressão organica/biodegradável, isso sim ajudaria muito!!!

  • Vicilu

    sem esquecer de incentivar o uso e cultivo de arvores d reflorestamento!!!

  • Ideia fantástica e simples. Bem, as melhores ideias são mesmo sempre as menos pretensiosas, porém objetivas e certeiras.

  • Ideia fantástica e simples. Bem, as melhores ideias são mesmo sempre as menos pretensiosas, porém objetivas e certeiras.

  • Ola Vicilu, eu não sou engenheiro ambiental e sou leigo no assunto mas é preciso muito cuidado em dizer que as florestas plantadas são benéficas para o meio ambiente. É preciso lembrar que a plantação de eucalipto é a uma cultura agrícola geralmente feita em grande escala e em monocultura. Ela depende diretamente do cuidado do homem para não empobrecer o solo por exemplo. 

    Aumentar a demanda necessita aumento de área, e desmatar floresta nativa para plantio de uma monocultura não faz muito sentido né? Mesmo com áreas de proteção, corredores a biodiversidade de uma floresta nem se compara com a de uma floresta de eucalipto.

    Então acredito que é preciso consumir de maneira consciente e equilibrada e que o aumento do consumo em papel não é o caminho!!

    Abraços e vamos que vamos

  • Com certeza né? Por incrível que pareça as idéias mais simples são sempre as melhores!!! Abraços Melo =)

  • Ana Carolina e Larissa

    Estamos nos formando em Eng. Florestal, e durante toda a graduação debatemos este assunto, o que é melhor ou pior? mais áreas de Eucalipto e Pinus ou não?Acho que existem prós e contras para tudo, e cada um têm uma opinião, por exemplo…Se fizermos comparação entre plantios agrícolas e plantios de Eucalipto e Pínus para a produção de celulose e papel poderemos facilmente perceber que os últimos, são menos impactantes para o meio ambiente. Pois, o ciclo de corte dos plantios de Eucalipto e Pínus são na faixa de 7 e 12 anos respectivamente, enquanto das culturas agrícolas são de um ano ou menos. Desta forma os primeiros protegem o solo por muito mais tempo, deixando-o por mais tempo coberto, possibilitando maior infiltração de água, e além disso, os períodos de intervenção com máquinas são menores, diminuindo problemas gerados pela compactação e erosão dos solos.Além disso os plantios de Eucalipto e Pínus para a produção de celulose e papel, devido a diversos fatores, mas principalmente por requererem aos conhecidos selos verdes, têm a obrigação de utilizar muito menos herbicidas, pesticidas, entre outros, em sua produção.O Brasil possui um território de 851 milhões de ha., sendo que  6,8 milhões de ha. são ocupados por florestas plantadas, o que corresponde somente 0.8% do território brasileiro; enquanto somente o cultivo de grão ocupa quase 48 milhões de hectares do território nacional. Além disto, a maioria das terras utilizadas para o cultivo de Pínus e Eucalipto são terras abandonadas pela agricultura ou pastagens, pois já utilizaram toda sua capacidade produtiva natural, necessitando de intervenções no solo para sua recuperação e nova utilização.A demanda por celulose e papel é cada vez maior, e dessa forma, os plantios de Eucalipto e Pínus se tornam importantes ferramentas para a conservação dos remanescentes de floresta nativa. Graças ao grande desenvolvimento tecnológico dos últimos anos, é possível utilizar áreas degradadas para o plantios dessas espécies e colhê-las em 7 anos, mantendo assim as fábricas abastecidas e sem a necessidade de intervenção nas áreas nativas.Entretanto, acreditamos que o fator preponderante nessa discussão, não seja os plantios de Eucalipto e Pínus, mais sim o consumo. A produção de qualquer bem de consumo é baseada na demanda do mercado, ou seja, precisamos de consumidores mais conscientes, ou melhor, de uma sociedade mais consciente e exigente.O consumo consciente não se resume somente ao consumo de papel e embalagens, mas sim de todos os bens de consumos por nós utilizados. Os derivados do petróleo devido a emissão de CO2 e por ser uma fonte não renovável; os agrícolas, devido a grande expansão que diariamente consomem milhares de hectares da Amazônia, e principalmente do Cerrado e o seu uso de agrotóxicos e pesticidas. A madeira para construção civil, que na maioria das vezes são trazidas de maneira ilegal do Norte do país. O consumo de carne, devido a expansão das pastagens em todo o Brasil, mas principalmente na Amazônia. Desta forma nos cabe a conscientização no consumo diário, e principalmente no questionamento da importância da impressão ou não; compra ou recusa de bens; podemos ainda questionar e exigir para que as empresas utilizem menos material nas embalagens, que utilizem e certifiquem seus produtos e que sejam prioritariamente de recursos renováveis e biodegradáveis.Ana Carolina e Larissa

  • Ola Ana Carolina e Larissa, sensacional! Esclareceu com maestria o assunto e concordo com vocês na questão do consumo. Por hora percebo que o mercado de celulose esta mais avançado na questão ambiental que outras áreas como as que você citou de madeira e carne. 

    Um ponto que você tocou que achei interessante é que não é só extrair a celulose que o papel esta pronto, existe toda a etapa de produção, transporte e comercialização aonde existe gasto energético, gasto de água e emissão de carbono. Existe impacto ambiental,
    então mais uma vez a solução é consumir de maneira consciente né? =)Vocês podem me ajudar com algumas dúvidas?

    1) E se a demanda aumentar absurdamente? Existem áreas para a plantação sem que haja necessidade de desmatar florestas nativas?

    2) O papel disponível no mercado brasileiro provém de cultivos  rastreados e controlados? Ou é sou uma parcela de empresas específicas? Existem um mercado paralelo com plantações ilegais, não certficadas  e não rastreadas?

    3) Dando um google percebi que muito se fala em “deserto verde” causadas por plantações de florestas de pinus e eucaliptus. Vocês podem falar um pouco sobre isto?

  • Incrível, engenhoso e ao mesmo tempo simples. Baixando e instalando….

  • Ana Carolina e Larissa

    1) Sim, existem áreas para expansão das florestas plantadas sem que haja pressão sobre as florestas nativas. Segundo dados do Ministério da Agricultura (http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/camaras_setoriais/Florestas_plantadas/11RO/App_SAE.pdf) existem 120 milhões de hectares passiveis de transformação em florestas plantadas, essas áreas correspondem á áreas de pastagens degradadas.Outro fator que impede a pressão sobre as florestas nativas é a certificação florestal, empresas que possuem a certificação não podem expandir suas áreas através da conversão de áreas com floresta nativa.2) A certificação florestal possui um tipo de selo chamado cadeia de custódia, este garante a rastreabilidade de toda a produção, desde a matéria-prima até o produto final. Desta forma, empresas que possuem essa certificação possuem seus produtos rastreados e controlados. Porém, ainda existem empresas sem a certificação, ou empresas que possuem apenas algumas de suas áreas certificadas. Sabemos também que as empresas estão obtendo a certificação pela exigência do mercado consumidor, mas na sua maioria estrangeiro, no Brasil essa exigência ainda é muito pequena. Vale lembrar que, uma empresa não é obrigada a possuir certificação, mas devem cumprir a legislação, e uma vez cumpridas as empresas estão legais. O processo de certificação é uma ação voluntária da empresa, que valoriza a marca e comprova que esta está de acordo com a legislação. 3) As plantações de Eucalipto e Pinus são chamadas de deserto verde, pois algumas pessoas dizem que nada cresce e se desenvolve no sub-bosque dessas florestas e que elas empobrecem o solo, isso não é verdade. Já existem estudos que comprovam que os plantios de Eucalipto e Pinus comparados a outras culturas são as que mais se assemelham as florestas nativas, entretanto não possuem diversidade como estas. Por esse motivo, e pelo fato de serem culturas com ciclos mais longos, o solo dessas áreas ficam mais protegidos, ou seja, menos susceptíveis a erosão e perda de nutrientes e, pelas máquinas utilizadas para colheita também serem utilizadas com menos frequência, os solos sofrem menos com o processo de compactação.Além disso, é possível haver crescimento e desenvolvimento de outras espécies no sub-bosque de florestas plantadas. Estudos já demonstraram isso, como por exemplo o de Ricardo Augusto Gorne Viani (O uso da regeneração natural – Floresta Estacional Semidecidual e talhões de Eucalyptus – como estratégia de produção de mudas e resgate da diversidade vegetal na restauração florestal), que estudou o sub-bosque de áreas com plantio de Eucalipto e encontrou 42 espécies florestais regenerantes.Entretanto, algumas espécies, como o Pinus possuem subtâncias em suas acículas (folhas) que impossibilitam o crescimento de algumas espécies no sub-bosque, e ainda, temos as espécies que necessitam de sol para seu estabelecimento, pois com o desenvolvimento das  árvores há o encontro das copas, impedindo a entrada direta da luz do sol.Outro fator importante está relacionado com a ecologia da paisagem, com o que chamamos de matriz, por exemplo se tivermos dois fragmentos florestais e entre eles uma plantação de cana, muitas espécies da fauna não poderão se locomover, pois a cana é o que chamamos de matriz impermeável. Por outro lado, as plantações de Eucalipto e Pinus, por possuírem uma estrutura semelhante as florestas nativas são consideradas matrizes permeáveis, ou seja, permitem o fluxo de fauna entre os fragmentos de florestas nativas.

  • Ana Carolina e Larissa

    Desculpe, não sei porquê, mas todos os comentários aparecem desconfigurados, as respostas estão numeradas…

  • Oi Ana é um bug de espaçamento, devidamente arrumado =))

  • Ola Ana e Larissa, obrigado novamente pela “aula” =D

    Me preocupo com o fato de que poucas empresas são certificadas. É comum em outros nichos como a extração de madeira por exemplo que as empresas estão legais perante a lei mas possuem práticas condenáveis de extração ilegal, extração além da cota permitida, desflorestamento irregular entre outros, como a fiscalização é quase inexistente estas empresas deitam e rolam. 
    A minha preocupação é que as empresas que não são certificadas tenham estas práticas e que acabamos consumindo papel e outros materiais que provém destes locais.

  • Ola Ana e Larissa, obrigado novamente pela “aula” =D

    Me preocupo com o fato de que poucas empresas são certificadas. É comum em outros nichos como a extração de madeira por exemplo que as empresas estão legais perante a lei mas possuem práticas condenáveis de extração ilegal, extração além da cota permitida, desflorestamento irregular entre outros, como a fiscalização é quase inexistente estas empresas deitam e rolam. 
    A minha preocupação é que as empresas que não são certificadas tenham estas práticas e que acabamos consumindo papel e outros materiais que provém destes locais.

  • Evelyn Oliveira

    Mas quem não tem o programa instalado no pc e receber o arquvo conseguirá abri-lo normalmente para leitura?

  • Ola Evelyn, sim, se você possuir um leitor de PDF conseguirá ler normalmente =)
    Pode enviar pro pessoal que eles todos vão ler =)

  • Adriana Maciel

    Poxa!! Queria muito usar, mas não consegui baixar. Aparece uma tela primeiro informando que há Argumentos Inválidos e depois a seguinte mensagem: Não foi possível concluir operação (erro 0x00000705). O Windows não consegue localizar um driver de impressora adequado. Entre em contato com o administrador para obter ajuda sobre como localizar e instalar um driver adequado. Consegue me ajudar?